JAD: Como é para o Sr. estar a frente de uma Anos igreja que comemora 86 anos de existência na cidade?

Pr. Nilton: “Sempre é uma honra ser pastor de qualquer igreja, porque o pastorado é uma vocação. Como é uma vocação, nós temos uma chamada de Deus tão forte que, por mais que a gente queira fazer outra coisa, o Espírito Santo e a presença de Deus não nos deixam. Tivemos lá no início da nossa carreira o desejo de fazer outras coisas, mas Deus falou muito alto ao nosso coração com uma chamada muito viva e desde que fomos chamados, nós realmente encarnamos isso e vivenciamos isso todo dia. A chamada de Deus para pastorear, eu vivo hoje como se fosse lá no início quando eu tinha meus 17,18 anos quando fui chamado. Por mais que muitas vezes a gente está cansado, da luta, do dia a dia, da correria, mas a chamada de Deus fala mais alto que nós temos uma missão para cumprir aqui na terra. Então ser pastor de uma igreja já é uma honra, um privilégio, porque não é merecimento. Nós não estamos aqui pastoreando porque merecemos. É misericórdia do Senhor. Ser pastor já é bondade e misericórdia do Senhor e ainda pastorear uma igreja que está fazendo 86 anos é um privilégio, e junto com o privilégio é uma grande responsabilidade. Porque já é uma igreja mais madura, uma igreja que passou por muitos pastores, veteranos. É uma responsabilidade porque nós temos crentes ainda do início da fundação da igreja. Nós temos crentes aí de 50,60,70 anos e uma geração nova. Então o pastor tem que ter aquele equilíbrio para não dar o choque das gerações e fazer com que a igreja continue entendendo a sua missão, que venha ser unida, avivada e com atos relevantes, fazendo a diferença na cidade.”

JAD: E o que esses 86 anos significam para cada membro da ADBlu?

Pr. Nilton: “Eu creio que para cada membro é uma honra e um privilégio. Porque uma igreja de 86 anos não é uma igreja que saiu por um descontentamento, por uma rebelião ou por outras situações que, muitas vezes, levam as pessoas a pertencerem a outras igrejas. Não estou condenando outras igrejas, acho que tem muitas igrejas boas na cidade. Mas pertencer a uma igreja que tem 86 anos, isso dá uma base aos membros, que estão realmente vivenciando uma igreja que tem conteúdo, que tem uma base fundamentada nos princípios bíblicos. É uma igreja que não despreza o passado, porque no passado nós recebemos nossos pais da igreja e alguns ensinamentos fundamentados na Palavra de Deus que não se abre mão. É um privilégio também porque é uma igreja que não se perdeu no espaço, ela continua tendo objetivos, continua tendo alvo e metas desafiadoras de fazer aquilo que Jesus disse: Ide por todo o mundo e fazei discípulos. Essa tônica nós não perdemos. A igreja está fazendo 86 anos mas desde os primeiros passos até hoje, ela continua pregando que Jesus salva, que Jesus cura, que Jesus batiza com o Espírito Santo e que Jesus vai voltar.”

JAD: O Sr. esteve na inauguração do Templo Sede há 25 anos. Qual o sentimento de comemorar mais um ano dessa obra tão importante para nosso igreja?

Pr. Nilton: “É um momento de emoção. Emoção porque você vê um templo que foi construído há 25 anos, onde tudo era tão difícil, se hoje as coisas são difíceis, naquela época as coisas eram mais ainda. E ver a grandiosidade desse templo que, naquele tempo, Deus já deu sabedoria ao Pr. Nirton para fazer um templo que hoje ele continua sendo moderno, funcional e que é uma referência nesta rua e na cidade. Então nós louvamos a Deus e comemoramos com emoção esses 25 anos. Sabendo que naquela época, com 2500 membros mais ou menos, conseguiram construir um templo dessa grandiosidade. E muitas vezes a gente fica pensando, será que hoje nós daríamos conta de construir algo assim? Então a gente vê em cada detalhe desse templo, milagre. Milagres da parte de Deus e também a ousadia e a fé daqueles irmãos que, além de dizimar, eles ofertavam com sacrifícios. Nós estamos hoje desfrutando de sacrifícios que irmãos fizeram há 25 anos. Por isso nós realmente hoje comemoramos com gratidão. Não podemos esquecer que tudo isso aqui existe porque alguém fez com sacrifício e passou a bandeira para nós e nós não podemos deixar o bastão cair.”

JAD: Nesses quase 18 anos como pastor presidente da ADBlu, qual o aprendizado com Deus o Sr. destacaria e por que?

Pr. Nilton: “O maior aprendizado em pastorear uma igreja há 18 anos é que a gente vai vendo que, por mais que temos experiência e estamos já pastoreando igreja desde os 23 anos, a gente não sabe tudo. Cada dia tem um assunto novo, cada dia nós precisamos depender de Deus, da misericórdia do Senhor. Quando a gente pensa que já sabe tudo, vem assuntos novos, problemas diferentes, e não se pode tratar os crentes da mesma forma. Porque os problemas são diferentes, eles vieram de formações diferentes, lares e criações diferentes. Nós temos que lidar com cada membro de maneira pessoal e não de maneira geral. Porque cada um reage de maneira diferente com o conselho que vai ouvir. Então tudo isso vai trazendo um amadurecimento ao pastor também. E nesses 18 anos que estamos aqui em Blumenau são muitas experiências. Foram muitos momentos de grandes vitórias e conquistas e também momentos de frustrações, porque não conseguimos realizar tudo que estava no nosso coração. Tem momentos que temos que reconhecer perdas e uma das coisas que mais fere o meu coração como pastor, é ver que a gente, muitas vezes, não consegue agradar a todos os membros e quando chega um membro dizendo que está indo para outra igreja, isso, como pastor ainda parte o meu coração, porque eu fico me perguntando, meu Deus onde eu errei, o que eu fiz de errado para esse membro querer sair da igreja? Será que ele não estava recebendo o alimento correto, onde nós falhamos? Quando uma igreja se torna uma igreja grande, você não consegue pastorear contento a todas as ovelhas. Eu reconheço que hoje eu estou pastoreando mais os meus pastores, dando a eles as orientações para eles pastorearem as ovelhas, Porque eu não consigo também estar em todas as congregações e visitar todos os membros como eles deveriam ser visitados. Claro que, na medida do possível, a gente sempre faz uma visita ou outra. Então nesses 18 anos a gente tem visto grandes conquistas e também a gente vê que é limitado e que dependemos da misericórdia de Deus a cada dia que passa.”

JAD: Em todos esses anos muitos projetos e sonhos foram realizados em toda a ADBlu. Mas teve algum que foi especial para o Sr. poder realizar, que de alguma forma marcou seu ministério?

Pr. Nilton: “A comemoração dos 80 anos foi um momento muito significativo. Teve um momento na sexta-feira que em todos os bairros os crentes soltaram foguetes e o pessoal ficava perguntando, o que será que está acontecendo na cidade? E no outro dia saiu no jornal que tinha sido a comemoração dos 80 anos da AD em Blumenau. Então isso ficou marcado na história da igreja. Outra coisa que tem nos marcado é o trabalho dos jovens com o Coral da Umadblu, que é algo vibrante. Temos também as festividades do Círculo do Oração com o Coral das irmãs. Nós nem chamamos cantoras porque as irmãs tem um coral que chama atenção, glorifica a Deus e marca nosso tempo como pastor aqui. E o que tem marcado também nesses últimos tempos é o nosso trabalho com os adolescentes. Eles tem feito a diferença na cidade com diversos trabalhos e os cultos, os congressos, tanto nos setores como os gerais, tem realmente chamado a atenção. Outra coisa que tem marcado e feito a diferença são as crianças, onde o Departamento Infantil já é referência nacional. O trabalho geral que foi feito esse ano foi realmente marcante. Ninguém esquece a música dos príncipes e princesas do Senhor Jesus. E também o desfile que teve com as crianças no aniversário da cidade. E não só isso. Tem também o trabalho do Discipulado e as mais de 11 mil pessoas que se batizaram nesses 18 anos. O trabalho com casais também é hoje um referencial a nível nacional e também alguns outros países estão querendo usar o nosso livro de lições Lar Feliz. Uma das coisas também que a gente conseguiu fazer nesses 18 anos foi que cada ministério da igreja tivesse um pastor em tempo integral, para que ele possa realmente trabalhar com tempo total de dedicação naquela área. E isso tem feito a diferença. Outra coisa que, sem dúvida, tem marcado esses 18 anos é o CTM Vida. Já estamos indo para 11 anos formando a cada ano, uma base de 30,40 pessoas, que ficam um ano aqui sendo treinadas e depois voltam para suas cidades com uma bagagem missionária, tendo condições inclusive de começar um trabalho do zero. Hoje nós também temos um local de oração, um cenáculo, um lugar específico de oração 24 horas. Um local lá no CTM, aprazível e que está aberto para toda a igreja. Porque nós cremos no poder da oração. A oração ainda é o canal competente para os céus se abrirem, os corações mais endurecidos se quebrarem e Deus realizar maravilhas extraordinárias em nosso meio.”

JAD: Para finalizar, qual o maior anseio do coração de um pastor de mais de 13 mil ovelhas?

Pr. Nilton: “O maior anseio é ver os crentes fortalecidos na fé, não deixando que ela seja abalada por tantas coisas que se ouve no dia a dia, até mesmo por falhas no meio da igreja, no ministério, na liderança. Porque onde está o homem tem falhas e não podemos deixar isso afetar a nossa esperança de ir para o céu. Meu anseio é que os maus exemplos, os maus pastores, os maus líderes, não venham desvirtuar a fé do nosso irmão. Que todos possam permanecer firmes, olhando para Jesus, para não perder o foco, o alvo, porque o céu é logo ali e está chegando, é real, e o crente não pode por causa de coisas efêmeras, perder o alvo que é Jesus. Nosso anseio é também ver aqueles que se perderam no caminho. Aqueles que se fragilizaram, que abandonaram, que não tiveram forças para continuar a jornada, voltar a Casa Paterna. Meu anseio é ver os crentes avivados, despertados e tendo a firme esperança que Jesus vai voltar e ele precisa ir para o céu.”