Por diversas vezes nos vimos numa situação complicada por causa disso. Quando nos reuníamos com os amigos para uma pizza, para ela era necessário preparar cardápio diferenciado (1 fatia de pão já estava ótimo, mas pizza nem pensar).

Lembro de um dia que fomos visitar uma família de amigos muito amada e eles iriam viajar no outro dia, aquela situação de armários e geladeira vazia pré viagem, e então eles pediram pizza pra jantarmos. Quando Eyshila se sentou à mesa, olhou e perguntou o que mais tinha pra comer. Gentilmente minha amiga serviu a ela um pãozinho, provável que seria o pão do café da manhã deles antes da viagem... Naquele dia resolvi que colocaria um ponto final nessa situação.

Verdadeiramente o fato de Eyshila não comer pizza não me incomodaria, se pizza não fosse “tão social”. Aquela famosa frase “terminou em pizza”, move muitos encontros de comunhão. Pode parecer esquisito, toda mãe insistiria para o filho comer frutas e verduras (isso ela ama!), enquanto eu resolvi conversar com minha filha sobre comer pizza e a importância disso. Mesmo sabendo que em questão de nutrientes não agregaria muito, eu queria que ela entendesse como socialmente seria positivo... Hoje ela come pizza e seu sabor preferido é de milho.

Quando falamos de alimento, todos temos nossas preferências, sou do tipo que come praticamente de tudo (desde que o ambiente seja limpo, hehe). Escolher o que queremos comer traz uma sensação muito boa. Saber que não precisamos comer o que não nos agrada é libertador. Deixar pra traz aquilo que não cai bem no estômago, que prende o intestino é um alívio. Melhor ainda é saber que existem alimentos que lhe proporcionam uma vida mais saudável e até a cura para muitas doenças.

Ninguém gosta de se alimentar de algo que seja intragável, prejudicial ou que possa lhe causar danos. Nós costumamos selecionar o que queremos levar ao paladar e ao estômago, porém muitas vezes não fazemos isso quando alimentamos nossa alma. 

Tem muita gente fraca, raquítica, definhando espiritualmente, e não consegue compreender o motivo. Vive uma vida muitas vezes infeliz, amarga, seguindo a dieta espiritual de uma geração raquítica espiritualmente. Usa as palavras sem refletir, abre os lábios sem vigiar, “fala o que quer”, diz o “que pensa” (sem pensar); vive de fofocas e “disse que me disse”, posta e compartilha em suas redes sociais coisas que denigrem a imagem de pessoas, famílias, etc: leva escândalo! Ai daquele por quem o escândalo vem!!!! (Mateus 18.7) Não é só quem gera o escândalo é quem o leva adiante também...

Assim como escolhemos o que agrada nosso paladar, estômago e faz bem ao corpo, precisamos selecionar nossas palavras porque nossa alma se alimenta delas. Muitos estão esquecendo que vão se alimentar disso em algum momento. Provérbios 18.21 nos adverte: “ A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte, os que gostam de usá-la COMERÃO dos seus frutos.” Precisamos refletir sobre isso! Se você se alimentar das suas próprias palavras sua alma será nutrida ou envenenada? Talvez seja hora de rever o cardápio servido a sua alma.