No século XXI, principalmente no mundo ocidental, está empregnado uma cultura de possessão obsessiva das coisas materiais. Isso é alimentado já na infância de nossas crianças, quando pais bem intencionados ao darem presentes para os filhos orientam-nos a ter cuidado e não dividir com qualquer um seus brinquedos na escola ou na vizinhança. A criança, com o tempo, passa a desenvolver uma personalidade com a “mão fechada” para dividir suas coisas. E quando isso não é tratado na primeira fase da vida a acompanhará nas outras fases dela.

          Esse tipo de criação dos nossos filhos é uma das grandes causas do egoísmo e avareza generalizada em nossa cultura. Um outro fator que promove o egoísmo, avareza e apego as coisas materiais é a ausência do ensino e entendimento dado as crianças e adultos de que o que eles possuem antes pertence ao Senhor. Se todas as vezes que se desse um presente a um filho ou filha lembrássemos a eles que aquilo é uma dádiva do Senhor, criaríamos uma cultura de gratidão e reconhecimento ao Senhor pelos seus presentes a nós doados. Mas qual geralmente é a atitude de muitos pais? “Toma cuidado porque isso veio do MEU suor sofrido!” Novamente a criança e com isso a geração futura é exposta a uma cultura ausente do cuidado e providência divina, reduzido apenas ao esforço humano. Esquecemos do que diz a Palavra de Deus em Dt 8.17 e 18: “Não digas em teu coração: A minha força e o poder do meu braço me adquiriram estás riquezas. Antes, te lembrarás do SENHOR, teu Deus, porque é ele o que te dá força para adquirires riquezas;”

          Quando passamos a entender e viver a luz do entendimento de que tudo o que há sobre a terra e isso incluí a mim, meu tempo, meu carro, meu salário, minha casa, minha empresa e tudo que possuo, são primeiramente propriedade do Eterno Deus, isso provocará certamente menos egoísmo, apego e avareza em nossos difíceis corações. O reconhecimento da soberania e direito supremos do Criador sobre o que temos gera em nós liberalidade, gratidão e generosidade, e isso é refletido em como lidamos com os dízimos e ofertas na casa do Senhor. Para quem entende que tudo que ela possui é do Senhor, devolve-lo a décima parte para sua obra não é algo surreal ou muito grande em fazer. Para quem entende que tudo que ela possui é do Senhor, ofertar certas quantias para o crescimento e avanço da Igreja não será algo sofrido, mas, prazeroso!

          Que tal viver e praticar juntamente a sua igreja local o reconhecimento do domínio do Soberano sobre tudo o que você tem e demonstra-lo gratidão mediante as práticas da generosidade com a obra de Deus através da devolução dos dízimos e a entrega das ofertas? Certamente, que o Senhor, dono da plenitude da terra e dos que nela habitam, não deixará isso passar em branco!
          Deus te abençoe!